DOUTRINA

A Igreja Adventista do Sétimo Dia - Movimento de Reforma, baseada no estudo das Sagradas Escrituras e mediante a interpretação revelada pelo Espírito Santo aos seus servos, tem como princípios básicos de sua crença os itens abaixo.

Conteúdo

1 . Deus o Pai

Há um só Deus, o pai eterno, o Criador: um ser pessoal, espiritual, infinito em amor e sabedoria., onipotente, onipresente, onisciente, imortal. Ex 20;2, 3; Is 45:5-12, 18, 20-22; Jo 4:24; Si 139:1-12.

Topo

2. Jesus Cristo o Filho

Jesus Cristo é o filho do Deus vivo, um em natureza com o Pai Eterno. Através de Cristo toda as coisa foram criadas. Conservando Sua natureza divina, Cristo tomou sobre Si a natureza humana, fez-Se carne, e viveu numa terra como homem sem pecado, tornou-Se um exemplo para nós. Morreu pôr nossos pecados na cruz, ressurgiu e ascendeu ao céu, junto ao pai, onde vive sempre para fazer intercessão pôr nós. Hb 1:1-3, 5; Cl 1:15-17;Mt 1:18-23; I tm 2:5; At 4:12; Hb 7:25; Itm 3:16.

Topo

3. O Espírito Santo

O Espírito Santo é representante na terra, e é um em propósito com o Pai e o Filho. É o agente regenerador na obra da redenção. Jo 14:16, 26; 16:7-13; Ico 2:10, 11; Ijo 5:7; II Co 13:14. Os três acima mencionados- Deus, o Pai; Jesus Cristo, o Filho; e o Espírito Santo, a terceira pessoa da Divindade – formam a Trindade. Mt 28:19.

Topo

4. A Bíblia Sagrada

As Escrituras Sagradas, tanto o Velho como o Novo Testamento, constitui a palavra de Deus. Foram transmitida por inspirações divinas, contêm a toda suficiente relações da vontade Divina ao homem, e são a única e a infalível regra de fé e prática. Jo 5:39; IIPe 1:19-21; II Tm 3:15-17.

Topo

5. Os Dez Mandamentos

A lei moral dos dez Mandamentos, de Êxodo 20:3- 17, é a expressão da vontade de Deus, abrangendo o dever do homem para com Deus e para com seu próximo. A lei é imutável, vige sobre todo os seres humanos de toda época e de todo lugar, e está acima de todas as leis humanas. A obediência a lei moral revela o amor do homem a Deus. A transgressão de qualquer Mandamento da lei moral ( Tiago 2:10) é pecado. 1João 3:4. E o salário do pecado é morte. Romanos 6:23. A lei não pode salvar-nos da pena do pecado, a morte; apenas revela o pecado. A salvação só é possível através do sacrifício expiatório de Cristo. Ec 12:13,14; Mt 5:17; Ijo 2:3-6; At 5:29.

Topo

6. O Sábado

O quarto mandamento da lei moral de Deus(Ex20:8-11)exige a observância do sábado do sétimo dia. É um dia sagrado de descanso, um memorial de criação e de recriação. Gn 2:1-3; Ex 16:23; Mc2:28; Hb 4:1-10.

A verdadeira observância do sábado exige do crente a cessação de todo trabalho secular ao pôr-do-sol de sexta-feira até o pôr-do-sol do sábado. A obra de preparação do sábado, que inclui a cocção de alimentos, limpeza da casa, higiene pessoal, etc., deve ser feita na sexta-feira, antes que o sábado tenha inicio.

O Sábado é uma parte vital dos Dez Mandamentos, sendo, portanto, uma instituição espiritual dedicada á adoração religiosa e ao estudo da palavra de Deus. Is 58;13, 14.

Cristo e seus apóstolos, tanto antes como depois da crucifixão, observaram o Sábado, portanto desde a criação o Sábado foi, continua sendo, e será sempre verdadeiro dia de repouso.

O Sábado Falsificado

O primeiro da semana, comumente chamado domingo, foi dedicado ao paganismo antigo á adoração do sol. A medida que a igreja cristã apostatou da verdadeira doutrina nos primeiros século, o Sábado do Sétimo dia foi gradualmente substituído pelo Domingo, feriado pagão que, com outras instituições pagãs, foi finalmente incorporado à lei eclesiástica da Igreja Católica Apostólica Romana, e por ela transmitiu a igreja. A guarda do Domingo está baseado apenas no costume pagão e na tradição da igreja, e em parte alguma da Bíblia é sustentada. Portanto, os cristãos que observam como dia de descanso semanal estão em erro. Dn 7:25; Mt 15:9.

Topo

7. A Lei Cerimonial

A lei cerimonial do velho testamento imposta ao povo judeu apostava para o futuro Messias. Tipificava a obra de Cristo, e sua exigência cessaram na cruz. A lei cerimonial que inclui os Sábados cerimoniais, dia santo dos judeus, não deve ser confundida com a lei Moral nem o Sábado cerimoniais devem ser confundidos com o dia Sábado do quarto Mandamento. Hb 10:1; Ci 2:14, 16; Hb 4:9, 10.

Topo

8. A Graça e Seu Meios

Graça significa "favor imerecido’’’. Pôr causa do pecado, a humanidade deve sofrer as conseqüências, notadamente a morte. O amor de Deus é manifestado pelo oferecer, ao homem indigno e pecador, salvação da morte eterna por amor de Jesus Cristo. A salvação é consumada mediante o atrair os pecadores a Cristo através dos meios da graça dentre os quais assinalamos:

A-  Palavra de Deus, Rm 10:13-17;

B- O Espírito Santo, Jo 16:13;

C- A Igreja de Deus, At 2:38-41;

D- O Lava-pés, Jo 13:1-17.

E- A Ceia do senhor, I Co 11:17-34.

Topo

9. O Novo Nascimento

A fim de obter a salvação, o homem deve passar pela experiência do novo nascimento- transformação da vida. João 3:3. O render-se a operação do Espírito Santo sobre o coração , conduz a pessoa ao arrependimento dos pecados cometidos ( At 2:37, 38), e nela cria o desejo de viver em obediência a vontade de Deus, ( I Jo 2:3). Essa transformação a Bíblia denomina ‘novo nascimento’’. A nova vida e resultante é mantida pela fé em Jesus Cristo. Ef 4:15.

Topo

10. O Batismo

As pessoas que atingiram a idade responsável, experimentaram a convicção da operação do Espírito Santo e se arrependeram, devem ser batizadas. Mediante esses ato é na morte, sepultamento e ressurreição de Cristo. A forma da Bíblia de batismo é a imersão em nome do Pai, do Filho e do Espiríto Santo. At 2:37, 38; 8:36-39; Rm 6:1-6; Mt 28:18-20.

Topo

11. O Ritual da Humanidade

O Lava-pés, ritual da humanidade, que precede a cerimônia da Ceia do Senhor,  foi instituído por Cristo e prescrito à igreja cristã para ensinar humildade, igualdade e amor fraternal. João 13:1-17.

Topo

12. A Ceia do Senhor

A cerimônia da Ceia do Senhor- a Santa Ceia- foi ordenada à igreja Cristã. Ao participar do pão ázimo e do vinho não aferventado, o crente comemora o sofrimento e a morte de Jesus Cristo. O significado sagrado dessa cerimônia exige que seja restrita aqueles que confessaram a Cristo através do batismo e se tornaram membros da igreja. I Co 10:16, 17; 11;24-29.

Topo

13. O Juízo investigativo

 O futuro do mundo é nos revelado na Bíblia, mediante a profecia. Em realidade, a profecia é a história antecipada. O maior período profético da Bíblia os dois mil e trezentos dias ou anos de Daniel 8:14, findou no ano de 1844, quando teve início o importantíssimo evento referido na Bíblia como: purificação do santuário - um período de juízo investigativo. É neste período que estávamos vivendo. O termo juízo investigativo se refere a obra de examinar os registros, mantidos pêlos anjos celestiais, de todos os atos dos que professaram ser filhos de Deus. O resultado desta investigação determinará quem estará qualificado para ir para o céu. Ecl. 12:14; Daniel 7:9,10; Apocal. 14:6,7.

Topo

14. A verdade presente

Juntamente com o início do juízo investigativo em 1844, o ensino contido nas mensagens dos três anjos de apocal. 14:6-12 tornou-se a verdade presente, e tem sido pregada desde então. Todavia o efeito destas mensagens tem, em grande medida, perdido seu poder nas vidas dos que professam ser o povo de Deus, resultando num espírito de transigência mundanismo e mesmo apostasia, que de acordo com a Bíblia Sagrada se caracteriza laodiceanismo. Desde que ninguém pode comunicar aquilo que não possui, a advertência final Apocal. 14:9-12; 18:4, ao mundo não pode ser dado até o conselho da testemunha verdadeira aos laodiceanos seja aceito, promovendo o reavivamento, arrependimento, reforma e poder. Esta obra preparatória precederá o derramamento especial do espírito de Deus sobre os crentes, fazendo que a proclamação da mensagem se avolume em alto clamor, para que seja ouvido por todos antes que termine o tempo da graça. Esta obra simbolizada pelo quarto anjo de apocal. 18:1-4, e como resultado um povo que guarda os mandamentos - 144.000 santos selados - estarão preparados para a segunda vinda de Cristo. Apocal. 3:14-22, 18:1-4; 14:1-5; Ezeq. 9:1-7.

Topo

15. O Dom da profecia

O Dom da profecia foi dado a igreja de Cristo como guia, encorajamento e sinal de identificação verdadeira. Em harmonia com a promessa de atos 2:14-21, o Dom de profecia foi restaurado nestes últimos dias, e de modo especial revelado através da pessoa de Ellen G. White. Seus escritos são reconhecidos por nós, não como um acréscimo a Bíblia ou em sua substituição, mas como orientação inspirada e designada a reconduzir-nos a Bíblia. A Bíblia, pormenorizada e tornada mais compreensível pelos escritos de Ellen White, é a nossa única base de fé e prática. Neem. 12:6; II Cor. 20:20; Oseias 12:13; amós 3:7; efes. 4:8-11; I tessal. 5:20,21.

Topo

16. O matrimônio

O matrimônio é uma instituição divina. Foi ordenado por Deus, honrado por Cristo, e une ambos os cônjuges por toda a vida. O divórcio com finalidade de novo casamento, a mancebia e o casamento com descrentes não estão em harmonia com o princípio divino do matrimônio. Gên. 1:27,8; Rom. 7:1-3; II Cor. 6:14.

Topo

17. Reforma de saúde e vestuário

Cremos no ensino Bíblico segundo o qual o corpo humano foi destinado a ser o templo do Deus vivo. Considerando que a lei física está baseada na lei moral, consideramos um dever cristão salvaguardar nossa saúde, pela adoção dos princípios da reforma de saúde e vestuários de acordo com a modéstia Bíblica. Pôr reforma de saúde entendemos o sábio aproveitamento e aplicação dos agentes naturais de saúde, dietas vegetarianas, isentas de qualquer alimento cárneo e peixes, abstinência de bebidas alcoólicas, narcóticos, fumos, drogas prejudiciais, café, chá preto e todo alimento prejudicial e insalubre. De igual maneira nosso vestuário é um índice de nosso caráter. A modéstia cristã quer que nos abstenhamos das modas do mundo, dos trajes aparatosos ou imodestos, e de toda adorno artificial, exterior. Ter a mulher cabelos compridos, é para ela uma glória, pois os cabelos lhe foi dado em lugar do véu. I Cor. 3:16,17; 6:19; Gên. 1:29; I Pedro 3:11-5; Isaias 3; I Cor. 11:15.

Topo

18. Governos Terrestre

A Bíblia ensina que a humanidade subsiste dentro de uma dupla esfera de autoridade - divina e humana. A distinção foi mencionada por Cristo em Mat 22:21: Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. O Cristão está sob o dever de respeitar e obedecer e essas duas esfera de autoridade. Ele reconhece como seu dever adorar a Deus e cumprir todos os deveres religiosos de acordo com a lei Divina. Semelhantemente reconhece, respeita e obedece a toda as lei do governo terrestre por causa da consciência. Rm 13:3-7. Quando porem, um estado ou um governo exige que seus cidadãos o reconheçam como autoridade suprema em questões de consciência, e julga dever ser obedecido, sejam suas exigência certa ou errada, o estado usurpa o lugar de Deus e torna-se um poder opressor. Quando o estado tenta controlar a consciência humana em assunto espiritual e na obediência a Deus, os homens extrapolam suas prerrogativas, e penetram na esfera onde cada cidadão deve decidir se obedecera a Deus ou ao homem. A fidelidade do Cristão é devida primeiramente a mais elevada lei , e dizemos com o apostolo Pedro: Importa antes obedecer a Deus ao que obedecer o homem. At 5:29. Esta posição peculiar colocou, de modo coerente, os membros desta igreja em todo mundo, em anos passados, na classe dos cidadãos honesto e leais que conciosamente se recusaram a participar nas forças armadas, em atos de guerra e em derramamento de sangue. Pôr conseguinte, como contribuição ao bem estar de seu país, nossos membros em idade militar voluntariamente se dispõem, em lugar de se alistarem nas forças armadas, a realizar força civil de importância nacional que contribua para a saúde da nação. A consciência desse fato nos leva a declarar também que nosso dever cristão nos proíbe de participar de qualquer modo em política partidária ou qualquer sociedade secreta, sindicado ou greve, e em qualquer sociedade subversiva ou movimento que pretenda subverter a democracia e o governo. II Co 6:14-17.

Topo

19. A igreja de Deus, um corpo organizado

A organização dos crentes num corpo visível distinto tem fundamento Bíblico. Nesse sentido o próprio Cristo deixou um exemplo quando chamou os discípulos e ordenou-os para serviço cristão. Mc 3:14, A autoridade administrativa dos negócios da igreja foi confiada por Cristo à igreja como um corpo, e não a um indivíduo apenas. Através da igreja Cristo comunica Seus propósitos e Sua vontade. A organização da igreja é necessária para a unidade de ação e o êxito dos seus empreendimento missionários. A igreja deve lealdade a sua cabeça que é Cristo. Sobre essa rocha foi fundada e as portas do inferno não prevalecera contra ela. Para exercer um ministério mais eficiente, a igreja delega parte de sua autoridade a oficiais qualificados, como ministros, anciãos, diáconos, etc., não para dominar sobre a igreja, mas para servi-la, na edificação do corpo de Cristo. At 6:1-6; 20:28; 13:1-5. A condição de membros da igreja pode ser alcançada mediante batismo e profissão de fé. A separação de outra igreja é, semelhantemente , necessária para alguém ser aceito na comunhão desta igreja. At 2:37, 38, 41; I Tm 6;12.

Topo

20. Dízimos e Ofertas

A Bíblia Sagrada ensina ser plano de Deus que a obra do evangelho e o ministério sejam mantido por dízimos e ofertas. Pôr dízimos, a Bíblia quer dizer um décimo de toda renda individual. Dizimar é um dever moral e legal do cristão para o sustento do ministério e da pregação do evangelho. As ofertas são voluntárias e espontâneas e devem ser proporcionais a nossa apreciação da bondade e das bênçãos de Deus. Lv 27:30; ML 3:7-10. I Co 9:7-14; Mt 23:23; II Co 9:6-15.

Topo

21. A Segunda Vinda de Cristo

A verdade da Segunda vinda de Cisto é uma das mais importantes doutrinas em toda a Bíblia. Sua Segunda vinda dará fim ao reino do pecado e conduzirá ao estabelecimento do reino eterno de justiça e paz. A vinda de Cristo será literal, pessoal, visível e universal. O tempo exato desse evento não esta predito nas escrituras : entretanto, os sinais dos tempos preditos pelo Senhor e os escritos profético do velho e do novo testamentos, todos apontam para seu retorno iminente. Os Cristão são aconselhados a estarem apercebidos: pois numa hora em que não penseis, virá o filho do homem. Lc 21:25-27; Mt 24; At 1:99-11; Ap 1:7.

Topo

22. O Estado dos Mortos

Quando o homem morre, seja ele bom ou mau, entra em sono- um estado de inconsciência, silêncio e inatividade total. Quem morreu esta completamente inconsciente de qualquer coisa que é feita, seus pensamentos pereceram, e ele não é mais capaz de ter amor, ódio ou inveja: o tempo, seja longo ou breve, para ele parecera apenas um momento. Ec 9:5, 6. Os mortos permanecerão na sepultura até a ressurreição dos justos e dos ímpios. Os justos ressurgirão por ocasião da Segunda vinda de Cristo, ao passo que a ressurreição dos Ímpios ocorrera mil anos depois, ao fim do milênio. I Ts 4:13-18; Ap 20:5-10.

Topo

23. O Milênio

Entre o fim da era evangélica e o principio da nova terra, haverá um período de mil anos denominado milênio. Durante esse tempo, os ímpios estarão mortos nesta terra, que permanecera desolada, tendo apenas Satanás e seus anjos como seus habitantes. Os justos estarão no céu com Cristo, em sessão de juízo confirmatório para os ímpios. Ao fim do período de 1000 anos, Cristo desce com seus anjos e o justos, seguindo pela Nova Jerusalém. Zc 14:4. A Segunda ressurreição, que é a dos ímpios, ocorre nessa ocasião. Cristo executa sobre Satanás, seus anjos e os ímpios, o juízo que lhe é divido por transgressão e desobediência. Desce fogo do céu e destrói completamente o pecado e os pecadores , e a própria Terra será purificada da maldição do pecado. Ap 20;, II Pe 3:7-10 Mt 4:1.

Topo

24. A Nova Terra

Após a purificação da terra pelo fogo, Deus fará novas todas as coisas, restaurando a terra e a sua beleza edênica. Esta nova terra então se tornará o eterno lar dos remidos, com Cristo reinando supremo através dos infindáveis séculos da eternidade Ap 21:1-7; Mt 5:5.

Topo

 

 

Site desenvolvido e patrocinado pelo Webmaster: Marcos Peter. All Rigth Reserved  Copyright © 2002